terça-feira, 25 de dezembro de 2012

O Ano em Blog _ Parte I

Este blog não é um diário. Costumo fazer alguns desabafos, mas não está nem perto de descrever 1/3 da minha vida. Transmito aqui apenas o que quero que se saiba. Logo, comentários como "estás a expôr muito em relação a determinado assunto". Sim, estaria, se não fossem 5 pessoas a saber ao que me estava a referir.

Mas é um facto, tornei isto muito pessoal este ano. Não era suposto, mas foi mais forte do que eu. Fiz muitos "posts sérios da semana", rúbrica que nem sempre se justificou- excepto no agradecimento aos meus pais. Aparentemente, senti necessidade de tornar isto algo sério para não enjoar de coisas aparvatadas. pronto, deu-me para ali, não os vou apagar, sempre fica registado.

Vou tentar ser blogger-parvalhão-em-full-time. Armar-me em esperto e opinar sobre tudo, porque tenho a mania que sei e que posso. E vou arrumar de vez com assuntos pessoais. Que vai começar depois da publicação deste.

Não foi um ano fácil. Desde 1981, penso que foi o pior de sempre. Penso isto todos os anos, mas o certo é que os anos seguintes conseguem ser piores. E eu - sem perceber bem porquê- estou relativamente são.

Ora este ano começou com a minha mudança para a terra-natal, porque numa das minhas grandes diarreias cerebrais, desisti da minha área de formação (ideia que ainda mantenho) e deixei a casa em Lisboa e rumei a casa. Pareceu-me acertado, uma vez que poderia "arranjar emprego, ganhar algum e poupar porque estaria em casa dos meus pais e teria alguma qualidade de vida". Burro de merda, pois claro. Eu a pensar que algum dia os ambientes familiares iriam mudar e que poderia haver relações normais. Burro, burro, burro d'um cabrão. Pode ser que um dia aprenda. nem emprego, nem vontade de fazer o que podia, nem nada. uma merda completa. Uma merda daquelas que pintam uma sanita à pistola. E quiçá, todo um w.c.

Fiquei desempregado até Outubro, mas até chegar o dia em que comecei o meu trabalho como reforço de Natal numa caixa perto de si, passaram-se milhentas situações complicadas. Estava apaixonado, claro! Só o amor é que podia fazer merdas destas- e eu só descobri isso este ano. Estive apaixonado por quem pensei ser o amor da minha vida (e ainda penso), mas deixei de ser correspondido. Sensação que também não conhecia, ser correspondido. E perdi o amor da minha vida este ano - duas vezes. DUAS VEZES, vêm como é possível ser burro e cada vez mais burro? Sou como toda a gente, espectacular a dar conselhos, péssimo a segui-los.

(para vocês, pessoas que estão desejando de saber sobre a minha vida amorosa, podem agora especular quem seria a pessoa, hein? já têm com que se entreter, quem é amigo, quem é?)

Mas mais grave, foi mesmo a morte do meu canito mais lindo do mundo. O meu companheiro desde os meus 16 anos, foi-se. Foi descansar. Foi-se livrar das dores físicas que já tinha nos últimos dias e deixou-nos. Deixou-nos as melhores recordações do mundo que os donos podem ter. Até porque tinha a personalidade das várias pessoas aqui de casa, conforme a situação. Sempre selectivo no que lhe convinha ouvir. Não sei a quem saiu...

Houve também facadas no peito por parte de amigos- não foi nas costas porque me disseram na cara- coisas que me foram ditas na cara,  por quem sempre tive o maior respeito do mundo e apoiei toda uma vida. Coisas injustas que vou esperar que um dia se arrependam, porque de facto, é surreal. Tão surreal que eu nem cheguei a ler tudo o que me escreveram, porque com certeza eu iria fazer merda e nunca mais falaríamos na vida. E houve ainda, conhecidos - que nunca vão passar disso- que podiam ter tido uma vida e deixado de se meter tantoooooo na dos outros.

Um ano de indecisões: de não saber para onde me virar, de não saber para quem me virar, o que fazer, não conseguir tomar decisões, de me tornar num tipo de pessoa que não sou, de pôr em causa tudo e mais alguma coisa. E lidar com tudo o que estas situações implicam. tudo o que estar desempregado implica, tudo  o que está ligado a perder o amor da vida, perder o cão da minha vida.

Perder, perder, perder.

Mas lá está, do fundo não se passa, e a partir de agora só posso subir. E quero muito. E vou sair da minha zona de conforto. É uma promessa.

Obs: porra, afinal vou ter de dividir isto das coisas sérias em pelo menos mais dois posts até ao fim do ano


Pink? A sério? Eu publiquei Pink. Eu avisei que estava numa fase complicada. Mas que vai mudar e a partir de agora só publico Lady Gaga. Muahhahah.

O Ano em Blog _ Parte I

Este blog não é um diário. Costumo fazer alguns desabafos, mas não está nem perto de descrever 1/3 da minha vida. Transmito aqui apenas o que quero que se saiba. Logo, comentários como "estás a expôr muito em relação a determinado assunto". Sim, estaria, se não fossem 5 pessoas a saber ao que me estava a referir.

Mas é um facto, tornei isto muito pessoal este ano. Não era suposto, mas foi mais forte do que eu. Fiz muitos "posts sérios da semana", rúbrica que nem sempre se justificou- excepto no agradecimento aos meus pais. Aparentemente, senti necessidade de tornar isto algo sério para não enjoar de coisas aparvatadas. pronto, deu-me para ali, não os vou apagar, sempre fica registado.

Vou tentar ser blogger-parvalhão-em-full-time. Armar-me em esperto e opinar sobre tudo, porque tenho a mania que sei e que posso. E vou arrumar de vez com assuntos pessoais. Que vai começar depois da publicação deste.

Não foi um ano fácil. Desde 1981, penso que foi o pior de sempre. Penso isto todos os anos, mas o certo é que os anos seguintes conseguem ser piores. E eu - sem perceber bem porquê- estou relativamente são.

Ora este ano começou com a minha mudança para a terra-natal, porque numa das minhas grandes diarreias cerebrais, desisti da minha área de formação (ideia que ainda mantenho) e deixei a casa em Lisboa e rumei a casa. Pareceu-me acertado, uma vez que poderia "arranjar emprego, ganhar algum e poupar porque estaria em casa dos meus pais e teria alguma qualidade de vida". Burro de merda, pois claro. Eu a pensar que algum dia os ambientes familiares iriam mudar e que poderia haver relações normais. Burro, burro, burro d'um cabrão. Pode ser que um dia aprenda. nem emprego, nem vontade de fazer o que podia, nem nada. uma merda completa. Uma merda daquelas que pintam uma sanita à pistola. E quiçá, todo um w.c.

Fiquei desempregado até Outubro, mas até chegar o dia em que comecei o meu trabalho como reforço de Natal numa caixa perto de si, passaram-se milhentas situações complicadas. Estava apaixonado, claro! Só o amor é que podia fazer merdas destas- e eu só descobri isso este ano. Estive apaixonado por quem pensei ser o amor da minha vida (e ainda penso), mas deixei de ser correspondido. Sensação que também não conhecia, ser correspondido. E perdi o amor da minha vida este ano - duas vezes. DUAS VEZES, vêm como é possível ser burro e cada vez mais burro? Sou como toda a gente, espectacular a dar conselhos, péssimo a segui-los.

(para vocês, pessoas que estão desejando de saber sobre a minha vida amorosa, podem agora especular quem seria a pessoa, hein? já têm com que se entreter, quem é amigo, quem é?)

Mas mais grave, foi mesmo a morte do meu canito mais lindo do mundo. O meu companheiro desde os meus 16 anos, foi-se. Foi descansar. Foi-se livrar das dores físicas que já tinha nos últimos dias e deixou-nos. Deixou-nos as melhores recordações do mundo que os donos podem ter. Até porque tinha a personalidade das várias pessoas aqui de casa, conforme a situação. Sempre selectivo no que lhe convinha ouvir. Não sei a quem saiu...

Houve também facadas no peito por parte de amigos- não foi nas costas porque me disseram na cara- coisas que me foram ditas na cara,  por quem sempre tive o maior respeito do mundo e apoiei toda uma vida. Coisas injustas que vou esperar que um dia se arrependam, porque de facto, é surreal. Tão surreal que eu nem cheguei a ler tudo o que me escreveram, porque com certeza eu iria fazer merda e nunca mais falaríamos na vida. E houve ainda, conhecidos - que nunca vão passar disso- que podiam ter tido uma vida e deixado de se meter tantoooooo na dos outros.

Um ano de indecisões: de não saber para onde me virar, de não saber para quem me virar, o que fazer, não conseguir tomar decisões, de me tornar num tipo de pessoa que não sou, de pôr em causa tudo e mais alguma coisa. E lidar com tudo o que estas situações implicam. tudo o que estar desempregado implica, tudo  o que está ligado a perder o amor da vida, perder o cão da minha vida.

Perder, perder, perder.

Mas lá está, do fundo não se passa, e a partir de agora só posso subir. E quero muito. E vou sair da minha zona de conforto. É uma promessa.

Obs: porra, afinal vou ter de dividir isto das coisas sérias em pelo menos mais dois posts até ao fim do ano


Pink? A sério? Eu publiquei Pink. Eu avisei que estava numa fase complicada. Mas que vai mudar e a partir de agora só publico Lady Gaga. Muahhahah.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Quem sai aos seus...

Conversa entre o tio (eu) e o sobrinho de 12 anos:

- Sabes que o mundo acaba dia 21, não sabes?
O sobrinho, com a cara mais cabisbaixa do mundo, diz: "Oh tio, não digas isso... é que eu ganhei a Playstation ontem..."

É assim mesmo, puuuutooo!!


Obs: Já fico mais descansado por deixar descendência sarcástica.


Quem sai aos seus...

Conversa entre o tio (eu) e o sobrinho de 12 anos:

- Sabes que o mundo acaba dia 21, não sabes?
O sobrinho, com a cara mais cabisbaixa do mundo, diz: "Oh tio, não digas isso... é que eu ganhei a Playstation ontem..."

É assim mesmo, puuuutooo!!


Obs: Já fico mais descansado por deixar descendência sarcástica.


quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Peidos Dissimulados.

Acreditar que algumas pessoas são sinceras é igual a acreditar que me vou peidar no elevador e não vai aparecer ninguém.

Ainda assim, peido-me.
E vocês dizem: " olha, cheira antes que se acabe".

Bom diaaaaaaa!
Malta que está em Lx: a linha vermelha do metro está avariada e não está a avisar nos painéis. Só está a informar que a verde está com perturbações.
Nada melhor que pagar passe e depois taxi. Adoro.

Peidos Dissimulados.

Acreditar que algumas pessoas são sinceras é igual a acreditar que me vou peidar no elevador e não vai aparecer ninguém.

Ainda assim, peido-me.
E vocês dizem: " olha, cheira antes que se acabe".

Bom diaaaaaaa!
Malta que está em Lx: a linha vermelha do metro está avariada e não está a avisar nos painéis. Só está a informar que a verde está com perturbações.
Nada melhor que pagar passe e depois taxi. Adoro.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

As Iludências Aparudem #2

Já escrevi sobre este tema e continuo a ser surpreendido. A nossa primeira impressão sobre alguém é baseada na imagem. Achamos logo que a pessoa é isto e aquilo conforme o seu aspecto. Normalmente as pessoas giras são super espectaculares ( queríamos nós, ahahah).

Já todos fomos surpreendidos em situações destas: pessoas com caras de embirrantes que afinal não eram assim tão embirrantes, pessoas aparentemente arrogantes, que afinal eram só tímidas, pessoas que pareciam boas pessoas e sinceras e afinal eram só dissimuladas. E outras tais.

Mas temos a hipótese de desfazer essa primeira impressão quando conhecemos mais a fundo a pessoa. Mas e aquelas primeiras impressões na rua, metro, qualquer sítio... Como se desfazer a imagem daquela pessoa que vimos no metro, olhámos e pensámos:" foda-se, granda mau aspecto"?!?
Quando essa pessoa é a única que dá moedas ao cego que está a pedir no metro.

Já me tinha acontecido uma situação do género e continuo a gostar de pensar: é bem feito para não seres parvo e julgares pelas aparências. Vai b'scari!

As Iludências Aparudem #2

Já escrevi sobre este tema e continuo a ser surpreendido. A nossa primeira impressão sobre alguém é baseada na imagem. Achamos logo que a pessoa é isto e aquilo conforme o seu aspecto. Normalmente as pessoas giras são super espectaculares ( queríamos nós, ahahah).

Já todos fomos surpreendidos em situações destas: pessoas com caras de embirrantes que afinal não eram assim tão embirrantes, pessoas aparentemente arrogantes, que afinal eram só tímidas, pessoas que pareciam boas pessoas e sinceras e afinal eram só dissimuladas. E outras tais.

Mas temos a hipótese de desfazer essa primeira impressão quando conhecemos mais a fundo a pessoa. Mas e aquelas primeiras impressões na rua, metro, qualquer sítio... Como se desfazer a imagem daquela pessoa que vimos no metro, olhámos e pensámos:" foda-se, granda mau aspecto"?!?
Quando essa pessoa é a única que dá moedas ao cego que está a pedir no metro.

Já me tinha acontecido uma situação do género e continuo a gostar de pensar: é bem feito para não seres parvo e julgares pelas aparências. Vai b'scari!

domingo, 16 de dezembro de 2012

Vontadinhas no Atendimento ao Público

O atendimento ao público é um pau de dois bicos. Ou um pau de um bico nas trombas de alguém.
Confesso que acho gratificante 85% das vezes, mas a restante percentagem é mais do que suficiente para me fazer revirar os olhos até à nuca. E atirar um pau à nuca de alguém.

Seja num café, numa loja, até mesmo no IEFP, se a pessoa que vos atende vos diz bom dia, é para responderem. Qual é dificuldade em perceber isto?

Quando chega um cliente (à loja, ainda não me estou a prostituir. Ainda) e não me responde a um bom dia, qual é a minha vontadinha mesmo? Matá-lo? Torturá-lo? Nem por isso. Apetece-me começar a atendê-lo em linguagem gestual, porque obviamente, só pode ser surdo. Ou mudo (sem ofensa a quem é realmente portador desta deficiência Já perguntei a uma supervisora se poderia fazer isso, mas ela só fez um semisorriso ligeiramente seco. Não percebi porquê. Mas secalhar vou começar a pôr em prática.
Nunca fiando.
Vou experimentar.


Obs: vou tentar também chamar menos nomes no meu pensamento, às pessoas mal formadas. Tentar.


Vontadinhas no Atendimento ao Público

O atendimento ao público é um pau de dois bicos. Ou um pau de um bico nas trombas de alguém.
Confesso que acho gratificante 85% das vezes, mas a restante percentagem é mais do que suficiente para me fazer revirar os olhos até à nuca. E atirar um pau à nuca de alguém.

Seja num café, numa loja, até mesmo no IEFP, se a pessoa que vos atende vos diz bom dia, é para responderem. Qual é dificuldade em perceber isto?

Quando chega um cliente (à loja, ainda não me estou a prostituir. Ainda) e não me responde a um bom dia, qual é a minha vontadinha mesmo? Matá-lo? Torturá-lo? Nem por isso. Apetece-me começar a atendê-lo em linguagem gestual, porque obviamente, só pode ser surdo. Ou mudo (sem ofensa a quem é realmente portador desta deficiência Já perguntei a uma supervisora se poderia fazer isso, mas ela só fez um semisorriso ligeiramente seco. Não percebi porquê. Mas secalhar vou começar a pôr em prática.
Nunca fiando.
Vou experimentar.


Obs: vou tentar também chamar menos nomes no meu pensamento, às pessoas mal formadas. Tentar.


quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Sugestão Natalêra #1

Não é natalícia, porque eu gosto mais de natalêra.

Para aquelas pessoas que ainda não compraram prendas (99%) e não sabem o que hão de fazer, já estão enjoadas de ser sempre  mesma coisa e não vos surge nada de original...Confiem em mim!
(Não, agora não era para estarem agarrados à barriga de tanto rir por eu estar a tentar ser credível).

A sério. Eu sou suspeito porque era suposto ter tirado um curso de fotografia, mas já pensaram em oferecer uma foto vossa a alguém? Não necessariamente séria- até porque quem lê este blog não pode ser uma pessoa séria. Voltando à fotografia...Uma foto com um nariz de rena num fundo diferente de qualquer estúdio em que já estiveram? Com uns cornos de rena? Com uns óculos parvos? Com o vosso animal de estimação? Só o vosso animal de estimação? Eu cá acho bem fazerem isso. Fotografia é fotografia e fica para sempre.

Agora sigam mas é o meu conselho, dêem uma olhada na página do facebook do Estúdio Xposed, localizada na Lx Factory, façam like, pois claro e vejam os albuns que lá estão para ficarem com uma ideia.
E oferecer uma sessão destas a alguém? Se existisse um voucher acessível é que era, não era?
E há:



E podem comprar o voucher e só marcar a sessão para depois do Natal? Podem.
E porque é que haviam de seguir o meu conselho? Porque eu não recebo comissão e não aconselho nada que não goste.
Já disse que não fui pago? Não, pois não?

Sugestão Natalêra #1

Não é natalícia, porque eu gosto mais de natalêra.

Para aquelas pessoas que ainda não compraram prendas (99%) e não sabem o que hão de fazer, já estão enjoadas de ser sempre  mesma coisa e não vos surge nada de original...Confiem em mim!
(Não, agora não era para estarem agarrados à barriga de tanto rir por eu estar a tentar ser credível).

A sério. Eu sou suspeito porque era suposto ter tirado um curso de fotografia, mas já pensaram em oferecer uma foto vossa a alguém? Não necessariamente séria- até porque quem lê este blog não pode ser uma pessoa séria. Voltando à fotografia...Uma foto com um nariz de rena num fundo diferente de qualquer estúdio em que já estiveram? Com uns cornos de rena? Com uns óculos parvos? Com o vosso animal de estimação? Só o vosso animal de estimação? Eu cá acho bem fazerem isso. Fotografia é fotografia e fica para sempre.

Agora sigam mas é o meu conselho, dêem uma olhada na página do facebook do Estúdio Xposed, localizada na Lx Factory, façam like, pois claro e vejam os albuns que lá estão para ficarem com uma ideia.
E oferecer uma sessão destas a alguém? Se existisse um voucher acessível é que era, não era?
E há:



E podem comprar o voucher e só marcar a sessão para depois do Natal? Podem.
E porque é que haviam de seguir o meu conselho? Porque eu não recebo comissão e não aconselho nada que não goste.
Já disse que não fui pago? Não, pois não?

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Arrebenta a bolha

Eu tenho muito medo de bolhas. Não falo apenas daquelas borbulhas gigantes que aparecem no meio da testa (por acaso nunca tive acne ), falo principalmente das bolhas actimel, que é como quem diz: anti- realidade.

Estas bolhas, imaginárias e maioritariamente estúpidas, mantêm algumas pessoas longe da realidade que as rodeia. O que poderia ser bom em alguns casos, acaba por se traduzir numa... Ai, como é que se diz? Ai, porra! Já sei! Acaba por se traduzir numa bela merda. É isso.

As pessoas agem como se tivessem a ter a atitude mais correcta, donos de toda a razão, acções inquestionáveis.
Mas não têm. E aborrece.

Felizmente, há casos em que as pessoas acabam por se aperceber da barbaridade que fazem. Em situações extremas, pode levar alguns anos. Mas mais vale tarde, que muito tarde.

Eu tenho muito medo destas bolhas. Das bolhas dos outros. De estar eu numa bolha e não ter essa percepção e achar que estou a agir lindamente. Avisem-me por favor se isso acontecer.
Principalmente se eu continuar a vestir a roupa parecida à do meu sobrinho de 12 anos.

"Arrebentem-me" a bolha, se faz favor.


Obs: Franciso, já deixavas de comprar roupa na pull&bear. Por favor não descubras a Primark.

Arrebenta a bolha

Eu tenho muito medo de bolhas. Não falo apenas daquelas borbulhas gigantes que aparecem no meio da testa (por acaso nunca tive acne ), falo principalmente das bolhas actimel, que é como quem diz: anti- realidade.

Estas bolhas, imaginárias e maioritariamente estúpidas, mantêm algumas pessoas longe da realidade que as rodeia. O que poderia ser bom em alguns casos, acaba por se traduzir numa... Ai, como é que se diz? Ai, porra! Já sei! Acaba por se traduzir numa bela merda. É isso.

As pessoas agem como se tivessem a ter a atitude mais correcta, donos de toda a razão, acções inquestionáveis.
Mas não têm. E aborrece.

Felizmente, há casos em que as pessoas acabam por se aperceber da barbaridade que fazem. Em situações extremas, pode levar alguns anos. Mas mais vale tarde, que muito tarde.

Eu tenho muito medo destas bolhas. Das bolhas dos outros. De estar eu numa bolha e não ter essa percepção e achar que estou a agir lindamente. Avisem-me por favor se isso acontecer.
Principalmente se eu continuar a vestir a roupa parecida à do meu sobrinho de 12 anos.

"Arrebentem-me" a bolha, se faz favor.


Obs: Franciso, já deixavas de comprar roupa na pull&bear. Por favor não descubras a Primark.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Gosto.

Gosto de ver pessoas perdidas nos pensamentos bons, no meio a rua, com sorrisos de orelha a orelha, com uma cara de felizes/ parvas... Estando- se a cagar para os outros e para a ( suposta) figura que estão a fazer.

Gosto.

Gosto de ver pessoas perdidas nos pensamentos bons, no meio a rua, com sorrisos de orelha a orelha, com uma cara de felizes/ parvas... Estando- se a cagar para os outros e para a ( suposta) figura que estão a fazer.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Música Que Me Imagino a Curtir no Verão, Bronzeado e Bebâdo!

Já tinha publicado isto há algum tempo no meu facebook, mas agora partilho com vocês - pessoas que não me conhecem, mas visitam o meu blog.
Gosto disto para xuxu. e é daquelas que quando vou na rua e oiço, só me apetece dançar- mas não tenho coragem.

Vá, toca a mexer esses cús, que com este tempo deprimente, só resta música animada.



Música Que Me Imagino a Curtir no Verão, Bronzeado e Bebâdo!

Já tinha publicado isto há algum tempo no meu facebook, mas agora partilho com vocês - pessoas que não me conhecem, mas visitam o meu blog.
Gosto disto para xuxu. e é daquelas que quando vou na rua e oiço, só me apetece dançar- mas não tenho coragem.

Vá, toca a mexer esses cús, que com este tempo deprimente, só resta música animada.



quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Hoje farias 16.

E pronto, não chegaste a fazer os 16 anos, aquela idade muito estúpida nos adolescentes. Mas chegaste a muito, muito velhinho na tua.

O ano passado, quando te cantámos os parabéns e partimos o bolo ( ver fotos no post do ano passado), passou-me muito de relance que poderias não chegar aos 16. Mas apaguei rapidamente esse pensamento da minha tola. Não serviu de nada, mas eu tentei.

Desculpem pais ( e vocês compreendem), mas o Tarik era a principal razão para eu ir a casa. E agora nem me apetece ir a casa. Nem estar em Lisboa, mas isso são outros quinhentos.

Não quero ser repetitivo,Tarik... Mas foste e vais ser sempre o amor da minha vida e indubitavelmente insubstituível - ao invés dos grandes amores por pessoas. Vou estar sempre a morrer de saudades tuas, vou ter sempre saudades do teu cheiro ( até do pêlo molhado), vou ter saudades dos teus olhares denunciadores de asneiras, do teu ar ignorador do que não te interessava, da tua inteligência ( que batia a minha a léguas).. E até te deixava morderes- me mais uma vez na mão, só para te ter cá mais tempo a abanar essa cauda farfalhuda.

(ele mordeu-me uma vez e com razão porque eu o pisei)

Não chegaste a fazer os 16, mas foram 15 e tal muito bons. E eu sinto a tua falta e não vou deixar que se sentem no teu sofá. Sabemos lá em casa, que não voltas, mas estamos à tua espera na mesma. E se o Natal já era merdoso, agora então...

E já chega, porque estou no metro e já estou a chorar. E não é fixe.

Hoje farias 16.

E pronto, não chegaste a fazer os 16 anos, aquela idade muito estúpida nos adolescentes. Mas chegaste a muito, muito velhinho na tua.

O ano passado, quando te cantámos os parabéns e partimos o bolo ( ver fotos no post do ano passado), passou-me muito de relance que poderias não chegar aos 16. Mas apaguei rapidamente esse pensamento da minha tola. Não serviu de nada, mas eu tentei.

Desculpem pais ( e vocês compreendem), mas o Tarik era a principal razão para eu ir a casa. E agora nem me apetece ir a casa. Nem estar em Lisboa, mas isso são outros quinhentos.

Não quero ser repetitivo,Tarik... Mas foste e vais ser sempre o amor da minha vida e indubitavelmente insubstituível - ao invés dos grandes amores por pessoas. Vou estar sempre a morrer de saudades tuas, vou ter sempre saudades do teu cheiro ( até do pêlo molhado), vou ter saudades dos teus olhares denunciadores de asneiras, do teu ar ignorador do que não te interessava, da tua inteligência ( que batia a minha a léguas).. E até te deixava morderes- me mais uma vez na mão, só para te ter cá mais tempo a abanar essa cauda farfalhuda.

(ele mordeu-me uma vez e com razão porque eu o pisei)

Não chegaste a fazer os 16, mas foram 15 e tal muito bons. E eu sinto a tua falta e não vou deixar que se sentem no teu sofá. Sabemos lá em casa, que não voltas, mas estamos à tua espera na mesma. E se o Natal já era merdoso, agora então...

E já chega, porque estou no metro e já estou a chorar. E não é fixe.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Surpresaaaaa!

Eu quando penso em surpresas, penso de imediato em Kinder- e quando penso em Kinder penso no anuncio com Nelson Évora, que é terrível. Mas não é sobre isso o tema hoje.

Normalmente associamos surpresas a coisas boas: uma resposta, uma visita, um acontecimento inesperado, mas associado ao bem estar. Isto, na maioria das vezes, claro.

Claro também está que, há sempre o lado negativo de uma surpresa. Uma notícia, uma visita, um acontecimento que traga mal estar: físico, emocional e a qualquer outro nível. E como não poderia deixar de ser, é o que acontece mais vezes.

Mau, mau é quando se deixa de caracterizar como uma surpresa negativa e se cataloga como desilusão da vida, ultrapassando largamente as facadas nas costas dadas por "amigos".

Malta: se isto vos acontecer- respirem, bebam 4 shots de absinto e saiam de casa. Todos os dias, obviamente.

Obs: Não, não estou a incentivar ao alcoolismo. Estou antes a contribuir para a diminuição da taxa de suicídio.

Surpresaaaaa!

Eu quando penso em surpresas, penso de imediato em Kinder- e quando penso em Kinder penso no anuncio com Nelson Évora, que é terrível. Mas não é sobre isso o tema hoje.

Normalmente associamos surpresas a coisas boas: uma resposta, uma visita, um acontecimento inesperado, mas associado ao bem estar. Isto, na maioria das vezes, claro.

Claro também está que, há sempre o lado negativo de uma surpresa. Uma notícia, uma visita, um acontecimento que traga mal estar: físico, emocional e a qualquer outro nível. E como não poderia deixar de ser, é o que acontece mais vezes.

Mau, mau é quando se deixa de caracterizar como uma surpresa negativa e se cataloga como desilusão da vida, ultrapassando largamente as facadas nas costas dadas por "amigos".

Malta: se isto vos acontecer- respirem, bebam 4 shots de absinto e saiam de casa. Todos os dias, obviamente.

Obs: Não, não estou a incentivar ao alcoolismo. Estou antes a contribuir para a diminuição da taxa de suicídio.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Cença.

( em directo do metro de Lisboa)

Pessoas que não reagem ao " com licença ": só me imagino a conduzir aqueles cilindros que alisam o alcatrão. E vocês estão no alcatrão. Só para não haver dúvidas.

Cença.

( em directo do metro de Lisboa)

Pessoas que não reagem ao " com licença ": só me imagino a conduzir aqueles cilindros que alisam o alcatrão. E vocês estão no alcatrão. Só para não haver dúvidas.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Sensibilidades

Estou um sensível de merda e adorei este vídeo que vi no mural do facebook de alguns amigos meus.
:)




Sensibilidades

Estou um sensível de merda e adorei este vídeo que vi no mural do facebook de alguns amigos meus.
:)




Estado Civil.

O Nunes está actualmente numa relação poligâmica com a sua mão direita, a pornografia, toalhitas e tesão de mijo.

Prevê-se que seja duradoura e fiel. A relação, claro está.

Estado Civil.

O Nunes está actualmente numa relação poligâmica com a sua mão direita, a pornografia, toalhitas e tesão de mijo.

Prevê-se que seja duradoura e fiel. A relação, claro está.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Bonito, Bonito...

Ah, maganos...pensaram que eu ia escrever que era: "os colhões a bater no pito". Claro que não. Não sou assim tão ordinário e nem era capaz de escrever desavergonhada expressão num blog desta categoria.

Mas bonito, bonito é: pessoas que mentem e acham que os outros ainda não sabem a verdade. E na verdade, uma mentira tapa a outra, uma mentira piedosa transforma-se num conjunto de pequenas mentirinhas, e resume-se a uma mentira gigantesca. Com ou sem intenção - até porque em alguns casos acredito que seja uma doença.

Isto acontece, excepto na cabeça de quem mente, bem como, que nunca se descobre. E isso é uma pena. E triste.


Bonito, Bonito...

Ah, maganos...pensaram que eu ia escrever que era: "os colhões a bater no pito". Claro que não. Não sou assim tão ordinário e nem era capaz de escrever desavergonhada expressão num blog desta categoria.

Mas bonito, bonito é: pessoas que mentem e acham que os outros ainda não sabem a verdade. E na verdade, uma mentira tapa a outra, uma mentira piedosa transforma-se num conjunto de pequenas mentirinhas, e resume-se a uma mentira gigantesca. Com ou sem intenção - até porque em alguns casos acredito que seja uma doença.

Isto acontece, excepto na cabeça de quem mente, bem como, que nunca se descobre. E isso é uma pena. E triste.


quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Calçada Manifesta.

Se estes penetras (ou mesmo manifestantes- who knows), que se infiltraram na manifestação para arrancar pedras da calçada, soubessem o quanto custa aos calceteiros fazê-la, tinham estado sossegados, imbecis do caralho. Era desfazer a calçada do Terreiro do Paço, pegar nos detidos e refazê-la de novo.

Por acaso, está aí uma bela merda armada. Foda-se.

Obs: antes que venham comentários a perguntar se eu sei calcetar, sim, já fiz isso nuns bons metros quadrados. E enquanto a fiz, pensei em muitas cabeças nas quais aqueles calhau encaixavam.

Calçada Manifesta.

Se estes penetras (ou mesmo manifestantes- who knows), que se infiltraram na manifestação para arrancar pedras da calçada, soubessem o quanto custa aos calceteiros fazê-la, tinham estado sossegados, imbecis do caralho. Era desfazer a calçada do Terreiro do Paço, pegar nos detidos e refazê-la de novo.

Por acaso, está aí uma bela merda armada. Foda-se.

Obs: antes que venham comentários a perguntar se eu sei calcetar, sim, já fiz isso nuns bons metros quadrados. E enquanto a fiz, pensei em muitas cabeças nas quais aqueles calhau encaixavam.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Dois Anos. E Esta, Hein?!


Há dois anos sofri de uma crise crónica de diarreia cerebral e segui o conselho de uma amiga (CP), que não sendo bem por estas palavras, me disse: palhaço como tu és, devias criar um blog para pôr essas merdas que vomitas diariamente. E eu, depois de lhe dizer que não umas vezes, lá lhe fiz a vontade..que acabou por se tornar na minha vontade.

Escrevi então o meu primeiro post, e no mesmo dia escrevi logo outro sob o tema da INVEJA...pois achei estar inspirado (e redondamente enganado). Comecei com muito sarcasmo no primeiro ano, mas acabei por fazer uma ou outra partilha mais pessoal, que implicou um sentimentozinho mais profundo.

Foram nada mais, nada menos do que  287 mensagens no blog. ou seja, para grande espanto meu, e provavelmente vosso, tudo junto, ainda nem fez um ano de vos moer com estas assuntos super importantes, interessantes e extremamente credíveis. Até eu pensava que tinham sido mais! Mas não, dá apenas cerca de 10 meses de textos, vejam lá vocês.

Posto isto, gostaria de agradecer às pessoas que seguem o blog (porque nem todos são os meus amigos que tive de subornar) e às 519 pessoas que seguem o blog através da página no facebook: Sarcasmos e Palermices. Não se percebe bem porque o fazem, mas há pessoas que se riem com merdas lá escritas. E isso é fixe, pá! Já dizia o outro.

Desta manêra, é porem as mãos na cabeça e esperarem agoniados que este blog mude para alguma coisa de jeito. E é altura de confirmar más notícias: vou continuar a escrever porcaria e a escrever o que me apetecer. Ah, espera, é a mesma coisa.


Numa situação destas, em que o acontecimento faz dois anos, deve-se felicitar ou continuar sossegado? Pois, a dúvida persiste. nem eu sei se hei de me parabenizar por um blog tão inútil. Muhahahahahah.

Look:

  • Camisa de 1998 aos quadrados e sem dois botões: Loja de roupa > 1500$
  • Tshért de gola espuxalhada: outlet pull&bear> uns 4€
  • Calças maijomenos verdes: Primark > 7 €
  • Calçado: Hugo Boss, a sério! mas não deu para aparecer na foto por mais que eu quisesse> Carí$$imo$!!

Dois Anos. E Esta, Hein?!


Há dois anos sofri de uma crise crónica de diarreia cerebral e segui o conselho de uma amiga (CP), que não sendo bem por estas palavras, me disse: palhaço como tu és, devias criar um blog para pôr essas merdas que vomitas diariamente. E eu, depois de lhe dizer que não umas vezes, lá lhe fiz a vontade..que acabou por se tornar na minha vontade.

Escrevi então o meu primeiro post, e no mesmo dia escrevi logo outro sob o tema da INVEJA...pois achei estar inspirado (e redondamente enganado). Comecei com muito sarcasmo no primeiro ano, mas acabei por fazer uma ou outra partilha mais pessoal, que implicou um sentimentozinho mais profundo.

Foram nada mais, nada menos do que  287 mensagens no blog. ou seja, para grande espanto meu, e provavelmente vosso, tudo junto, ainda nem fez um ano de vos moer com estas assuntos super importantes, interessantes e extremamente credíveis. Até eu pensava que tinham sido mais! Mas não, dá apenas cerca de 10 meses de textos, vejam lá vocês.

Posto isto, gostaria de agradecer às pessoas que seguem o blog (porque nem todos são os meus amigos que tive de subornar) e às 519 pessoas que seguem o blog através da página no facebook: Sarcasmos e Palermices. Não se percebe bem porque o fazem, mas há pessoas que se riem com merdas lá escritas. E isso é fixe, pá! Já dizia o outro.

Desta manêra, é porem as mãos na cabeça e esperarem agoniados que este blog mude para alguma coisa de jeito. E é altura de confirmar más notícias: vou continuar a escrever porcaria e a escrever o que me apetecer. Ah, espera, é a mesma coisa.


Numa situação destas, em que o acontecimento faz dois anos, deve-se felicitar ou continuar sossegado? Pois, a dúvida persiste. nem eu sei se hei de me parabenizar por um blog tão inútil. Muhahahahahah.

Look:

  • Camisa de 1998 aos quadrados e sem dois botões: Loja de roupa > 1500$
  • Tshért de gola espuxalhada: outlet pull&bear> uns 4€
  • Calças maijomenos verdes: Primark > 7 €
  • Calçado: Hugo Boss, a sério! mas não deu para aparecer na foto por mais que eu quisesse> Carí$$imo$!!

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Aconteceu ao meu lado #1

Uma rapariga, na caixa de uma loja extremamente movimentada, atendia uma cliente. A rapariga não dobrava a roupa que a cliente queria levar, com a delicadeza que a cliente achou que devia estar. Esperou que a funcionária enchesse o saco, agarrou nele e despejou-o em cima do balcão ao mesmo tempo que dizia: "Mas isso está bem dobrado? Está?Estáaaaa??? Isso não é assim que se faz! É assim!!!!!" (enquanto demonstrava).

Para melhor contextualizar, trata-se de uma loja super-hiper-low-cost, onde estão centenas de pessoas a qualquer hora do dia, em que se sabe que o atendimento não será como numa Dolce &Gabama de Lisboa, vazia, portanto. E com tempo para atendimentos personalizados e roupa passada a ferro antes de ser ensacada.
(continua depois da foto)



Se fosse eu a atender esta pseudo-tia num dia bom? " Eles ainda estão a aceitar CV's! Não quer vir ajudar a gente?
Num dia mau: " Ah, coisinha mai habilidosa que você é a arrumar camisolas! Faça favor de saltar cá para dentro do balcão, tia!
Não posso com anasaldas da Musgueira.

Aconteceu ao meu lado #1

Uma rapariga, na caixa de uma loja extremamente movimentada, atendia uma cliente. A rapariga não dobrava a roupa que a cliente queria levar, com a delicadeza que a cliente achou que devia estar. Esperou que a funcionária enchesse o saco, agarrou nele e despejou-o em cima do balcão ao mesmo tempo que dizia: "Mas isso está bem dobrado? Está?Estáaaaa??? Isso não é assim que se faz! É assim!!!!!" (enquanto demonstrava).

Para melhor contextualizar, trata-se de uma loja super-hiper-low-cost, onde estão centenas de pessoas a qualquer hora do dia, em que se sabe que o atendimento não será como numa Dolce &Gabama de Lisboa, vazia, portanto. E com tempo para atendimentos personalizados e roupa passada a ferro antes de ser ensacada.
(continua depois da foto)



Se fosse eu a atender esta pseudo-tia num dia bom? " Eles ainda estão a aceitar CV's! Não quer vir ajudar a gente?
Num dia mau: " Ah, coisinha mai habilidosa que você é a arrumar camisolas! Faça favor de saltar cá para dentro do balcão, tia!
Não posso com anasaldas da Musgueira.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Ouvidos Moucos, Mãos Deficientes.

Pessoas ao telemóvel. Na rua ou no carro- não interessa. Com auriculares.

Auriculares najorelhas. e telemóvel na direcção da boca, como se fosse um walkie-talkie*.

Oh burras de merda, o micro do telefone está na direcção da vossa boca, não têm de levar lá o aparelho. O objectivo dos auriculares é deixar as mãos livres. Pensem lá um bocadinho então, se quando usam o telefone assim, têm as mãos livres? Pois. Burras d'um cabrêsto. Era enrolar o fio do auricular najorelhas até elas cairem.



*Para as pessoas que nasceram depois de 90, pesquisem no google.

Ouvidos Moucos, Mãos Deficientes.

Pessoas ao telemóvel. Na rua ou no carro- não interessa. Com auriculares.

Auriculares najorelhas. e telemóvel na direcção da boca, como se fosse um walkie-talkie*.

Oh burras de merda, o micro do telefone está na direcção da vossa boca, não têm de levar lá o aparelho. O objectivo dos auriculares é deixar as mãos livres. Pensem lá um bocadinho então, se quando usam o telefone assim, têm as mãos livres? Pois. Burras d'um cabrêsto. Era enrolar o fio do auricular najorelhas até elas cairem.



*Para as pessoas que nasceram depois de 90, pesquisem no google.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Ensaio Sobre o Amor.

* Não te apaixones.
Cai antes de uma ponte, dói menos. Mesmo que seja da 25 de Abril.
Sempre ouvi dizer.

Ensaio Sobre o Amor.

* Não te apaixones.
Cai antes de uma ponte, dói menos. Mesmo que seja da 25 de Abril.
Sempre ouvi dizer.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Desculpem, maganos.

Vou só tentar arranjar uma vontadinha para escrever e volto logo.
Mi perdoem, meus sarcásticos de primeira apanha.

Desculpem, maganos.

Vou só tentar arranjar uma vontadinha para escrever e volto logo.
Mi perdoem, meus sarcásticos de primeira apanha.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Que Costumas Buer Quando Sais?

Desta vez não estou a fazer um estudo de mercado. Até porque na realidade não me interessa minimamente o que é que vocês bebem, senão ainda apareciam algumas ordinaronas a dizer coisas que eu não quero saber.
Mas sigamos para o que interessa: há fins de semana em que estou mais inclinado para o gin, outros que estou inclinado para o gin (sim, de novo) e outros para a vodka. raramente estou virado para a imperial porque depois de umas 4 ou 5, vou de 2 em 2 minutos mijar. E isso é aborrecido.

Mas independentemente de ser gin ou vodka, o certo é que fica sempre com uma característica agregada, que é Espigada - e é esta bebida que tenho experimentado por imposição. Isto é, Gin Espigado ou Vodka Espigada. Já provaram? Olhem que já...a não ser que nunca tenham estado a dançar em discotecas, atrás de raparigas que pensam que estão sozinhas. Elas e o seu cabelo esvoaçante dentro do copo das pessoas.

Mas tudo isto ainda pode piorar, se ela tiver caspa. Aí, peçam vodka Linic.


Que Costumas Buer Quando Sais?

Desta vez não estou a fazer um estudo de mercado. Até porque na realidade não me interessa minimamente o que é que vocês bebem, senão ainda apareciam algumas ordinaronas a dizer coisas que eu não quero saber.
Mas sigamos para o que interessa: há fins de semana em que estou mais inclinado para o gin, outros que estou inclinado para o gin (sim, de novo) e outros para a vodka. raramente estou virado para a imperial porque depois de umas 4 ou 5, vou de 2 em 2 minutos mijar. E isso é aborrecido.

Mas independentemente de ser gin ou vodka, o certo é que fica sempre com uma característica agregada, que é Espigada - e é esta bebida que tenho experimentado por imposição. Isto é, Gin Espigado ou Vodka Espigada. Já provaram? Olhem que já...a não ser que nunca tenham estado a dançar em discotecas, atrás de raparigas que pensam que estão sozinhas. Elas e o seu cabelo esvoaçante dentro do copo das pessoas.

Mas tudo isto ainda pode piorar, se ela tiver caspa. Aí, peçam vodka Linic.


domingo, 21 de outubro de 2012

O Milagre da Alameda.

Eu não sei se é por aquele local estar perto da Fonte Luminosa, não sei se tem a ver com o Dom Afonso Henriques ou seja mesmo efeito imediato por ser em frente à igreja universal do reino de deus (que até têm uma publicação que eu já vos tinha falado), mas enquanto estava a apanhar solinho apercebi-me de um fenómeno.

Quando cheguei, reparei nas pessoas sentadas ao lado da mesa, apenas porque precisei de ter alguma cuidado a tirar uma cadeira da sombra para o sol, sem decapitar os vizinhos de esplanada. Pouco depois, eis que um rapaz que estava numa cadeira de rodas se levanta. Verdade! E tenho quase a certeza que era por estar a haver uma sessão da IURD ali ao lado. Ou talvez fosse da vodka que ele tivesse a beber.

Eu estava com o telefone na mão e obviamente, fotografei! Não nesta sequência que vou pôr em seguida, mas foi mais ou menos isto:


E eis que o MILAGRE se dá
(a foto até parece ter a luz divina vindo ali da Igreja na esquerda)


Eu ia bater palmas, mas como as companhias dele na mesa não se manifestaram, achei por bem, ficar quieto. Uma pessoa quer sempre razões para festejar, então é quase incontrolável.


Obs: Eu sei que não são só paraplégicos/paralíticos/aleijados que precisam de uma cadeira de rodas, mas este moço apanhou-me de surpresa, eu não estava preparado. E apeteceu-me chamar milagre. Porque nos filmes é assim.

O Milagre da Alameda.

Eu não sei se é por aquele local estar perto da Fonte Luminosa, não sei se tem a ver com o Dom Afonso Henriques ou seja mesmo efeito imediato por ser em frente à igreja universal do reino de deus (que até têm uma publicação que eu já vos tinha falado), mas enquanto estava a apanhar solinho apercebi-me de um fenómeno.

Quando cheguei, reparei nas pessoas sentadas ao lado da mesa, apenas porque precisei de ter alguma cuidado a tirar uma cadeira da sombra para o sol, sem decapitar os vizinhos de esplanada. Pouco depois, eis que um rapaz que estava numa cadeira de rodas se levanta. Verdade! E tenho quase a certeza que era por estar a haver uma sessão da IURD ali ao lado. Ou talvez fosse da vodka que ele tivesse a beber.

Eu estava com o telefone na mão e obviamente, fotografei! Não nesta sequência que vou pôr em seguida, mas foi mais ou menos isto:


E eis que o MILAGRE se dá
(a foto até parece ter a luz divina vindo ali da Igreja na esquerda)


Eu ia bater palmas, mas como as companhias dele na mesa não se manifestaram, achei por bem, ficar quieto. Uma pessoa quer sempre razões para festejar, então é quase incontrolável.


Obs: Eu sei que não são só paraplégicos/paralíticos/aleijados que precisam de uma cadeira de rodas, mas este moço apanhou-me de surpresa, eu não estava preparado. E apeteceu-me chamar milagre. Porque nos filmes é assim.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Consultório Nunes-Maya.

Como se chama uma segunda oportunidade mal aproveitada?
Uma bela-merda.


(riso muito maléfico)

Consultório Nunes-Maya.

Como se chama uma segunda oportunidade mal aproveitada?
Uma bela-merda.


(riso muito maléfico)

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

A Outra Versão.

Sempre ouvi dizer que há três versões de uma história (isto quando não são contadas em aldeias que conheço bem, que aí têm muitas mais). A minha, a tua e a verdadeira. ora bem, ontem escrevi aqui ofensas à suposta Conceição que tinha deixado as crianças sem comer, numa escola em Loulé, mas já apareceu aqui outra versão, escrita pela dita Conceição. E agora, em que ficamos?
Leiam...

http://www.esla.edu.pt/joomla17/images/comunicacaoescolafamilian5.pdf

E caso seja esta a versão correcta: Ceição, amiga!! Desculpe qualquer coisinha :P

A Outra Versão.

Sempre ouvi dizer que há três versões de uma história (isto quando não são contadas em aldeias que conheço bem, que aí têm muitas mais). A minha, a tua e a verdadeira. ora bem, ontem escrevi aqui ofensas à suposta Conceição que tinha deixado as crianças sem comer, numa escola em Loulé, mas já apareceu aqui outra versão, escrita pela dita Conceição. E agora, em que ficamos?
Leiam...

http://www.esla.edu.pt/joomla17/images/comunicacaoescolafamilian5.pdf

E caso seja esta a versão correcta: Ceição, amiga!! Desculpe qualquer coisinha :P

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Crianças ficaram a ver os colegas a comer...

É um assunto que não obedece à temática deste blog. Já tinha lido a notícia, mas está a correr hoje nas redes sociais, mais do que nunca. E ainda bem e para os mais distraídos, foi isto que se passou:


E O Nuno Markl partilhou esta foto na página do facebook, com o seguinte comentário:Conceição, escute: ouvi dizer que abriu uma vaga dentro de um livro do Charles Dickens. Avance. De caminho, passe pelo raio que a parta. Obrigado."

Eu gostava de numa situação destas, "dar a tacada" com humor e sem ser mal educado, mas só me ocorre: Oh Conceição, vá para a praia, espere por mim, que eu vou-lhe lá fazer uma amona até 2017, oh borrega do caralho. Era uma lambadão tãoooooooooooo grande nessas trombas e uma cuspidela das crianças nessas mesmas ventas. E ainda era pouco.

By the way, Ceiçãozita...vou aqui deixar uma petição, que também está a circular na net, para o seu despedimento justo por maus tratos infantis. Justo é um eufemismo. Cabrona.

Eu ja assinei...
http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2012N30471


Crianças ficaram a ver os colegas a comer...

É um assunto que não obedece à temática deste blog. Já tinha lido a notícia, mas está a correr hoje nas redes sociais, mais do que nunca. E ainda bem e para os mais distraídos, foi isto que se passou:


E O Nuno Markl partilhou esta foto na página do facebook, com o seguinte comentário:Conceição, escute: ouvi dizer que abriu uma vaga dentro de um livro do Charles Dickens. Avance. De caminho, passe pelo raio que a parta. Obrigado."

Eu gostava de numa situação destas, "dar a tacada" com humor e sem ser mal educado, mas só me ocorre: Oh Conceição, vá para a praia, espere por mim, que eu vou-lhe lá fazer uma amona até 2017, oh borrega do caralho. Era uma lambadão tãoooooooooooo grande nessas trombas e uma cuspidela das crianças nessas mesmas ventas. E ainda era pouco.

By the way, Ceiçãozita...vou aqui deixar uma petição, que também está a circular na net, para o seu despedimento justo por maus tratos infantis. Justo é um eufemismo. Cabrona.

Eu ja assinei...
http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2012N30471


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Estudo de Caso nas Relações.


Quando surge o tema da fidelidade, numa qualquer conversa entre amigos e /ou conhecidos, as opiniões parecem camisolas revoltas em dia de Feira de Carcavelos. cada um tem e quer a sua e quase que há batatada por causa disso. Já ouvi coisas muito díspares (vira, viram? que palavra chique para diferentes) e sinceramente há coisas que me fazem uma confusão brutal.

Estou  a fazer um estudo - sério, para uma Universidade de grande prestígio- e preciso que vocês, leitores espectaculares e super assíduos e bonitinhos, me ajudem. Nesta caso, prefiro que os comentários sejam anónimos, pretendendo apenas que fique a saber se são gajos ou gajas a comentar. Só por causa das estatísticas, claro.

Imaginem então uma situação em que têm uma relação relativamente sólida e que por um sinal ou outro desconfiam que a coisa do outro lado está tremida, e que até pode ter havido encornanço.

Para a pessoa que encorna pode "não ser importante, ser irrelevante ou não contar porque foi só uma noite", mas como é afinal? Se vocês já foram a pessoa que encorna, contem-me o porquê. Se foram a pessoa encornada, contem-me se preferiam saber a verdade, se preferiam não saber ou se tivessem sido encornadas mas @ voss@ companheir@ tivesse feito bem as coisas, vocês preferiam não saber?

Como oiço opiniões de 8 a 80, dêem-me a vossa, sim??
Anonimamente, se preferirem. O INE aguarda :)

Estudo de Caso nas Relações.


Quando surge o tema da fidelidade, numa qualquer conversa entre amigos e /ou conhecidos, as opiniões parecem camisolas revoltas em dia de Feira de Carcavelos. cada um tem e quer a sua e quase que há batatada por causa disso. Já ouvi coisas muito díspares (vira, viram? que palavra chique para diferentes) e sinceramente há coisas que me fazem uma confusão brutal.

Estou  a fazer um estudo - sério, para uma Universidade de grande prestígio- e preciso que vocês, leitores espectaculares e super assíduos e bonitinhos, me ajudem. Nesta caso, prefiro que os comentários sejam anónimos, pretendendo apenas que fique a saber se são gajos ou gajas a comentar. Só por causa das estatísticas, claro.

Imaginem então uma situação em que têm uma relação relativamente sólida e que por um sinal ou outro desconfiam que a coisa do outro lado está tremida, e que até pode ter havido encornanço.

Para a pessoa que encorna pode "não ser importante, ser irrelevante ou não contar porque foi só uma noite", mas como é afinal? Se vocês já foram a pessoa que encorna, contem-me o porquê. Se foram a pessoa encornada, contem-me se preferiam saber a verdade, se preferiam não saber ou se tivessem sido encornadas mas @ voss@ companheir@ tivesse feito bem as coisas, vocês preferiam não saber?

Como oiço opiniões de 8 a 80, dêem-me a vossa, sim??
Anonimamente, se preferirem. O INE aguarda :)

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Tanta Visita ao Blog...

Eu logo vi que estas 5 visitas diárias que tenho no blog não vinham propositadamente à procura dele. Uma pessoa vai ver a parte das estatísticas e não sei quê e depara-se com os tags que trouxeram o leitor aqui...Embora o "sarcasmo do nunes" apareça em primeiro, outras palavras-chave são encontradas, como podem ver na imagem que se segue:



(Tenho outras muito boas guardadas, vou pondo depois)
E é isto, meus amigos! É isto! Uma pessoa a pensar que tem um blog super culto e credível e andam à procura de conildas, tsss, tsss.

Tanta Visita ao Blog...

Eu logo vi que estas 5 visitas diárias que tenho no blog não vinham propositadamente à procura dele. Uma pessoa vai ver a parte das estatísticas e não sei quê e depara-se com os tags que trouxeram o leitor aqui...Embora o "sarcasmo do nunes" apareça em primeiro, outras palavras-chave são encontradas, como podem ver na imagem que se segue:



(Tenho outras muito boas guardadas, vou pondo depois)
E é isto, meus amigos! É isto! Uma pessoa a pensar que tem um blog super culto e credível e andam à procura de conildas, tsss, tsss.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

O Turista.

Lisboa tem sido, neste últimos anos, cada vez mais um destino de eleição de turistas do mundo inteiro (é preciso virem do estrangeiro, para que se perceba que realmente temos um bom país, mas muito mal aproveitadinho). E nós podemos confirmar isso pela quantidade de máquinas fotográficas que vemos em punho nas zonas mais turísticas.

Claro que no meio de tanto turista, tinha de arranjar maneira de ter um tema para escrever no blog, e surgiu quando vi cerca de 8 pessoas a posar, numa zona que não tinha monumentos. Não havia uns Jerónimos, não havia uma Torre de Belém, um Castelo (eu sei que não são só essas as coisas que se podem fotografar); havia sim, um repuxo...não como aquele que se vê em Caxias, não como os da Expo ou até do Largo da Estefânia (Stephanie para os estrangeiros).

Ora, claro está que fui posar também junto DO repuxo e aproveitei para posar junto de outras coisas igualmente interessantes.

Nunes e o famoso repuxo.
(com 8 pessoas era mais interessante, eu sei)

Outro ponto turístico: um banco da estação de metro.

E por último, mas não menos interessante: um caixote do lixo com uma "sévénepe"

Look Desempregado

Polo Branco > Primark> uns 5€
Calções daquela cor > Primark > 7€
Calçado> Saldos da Pull&Bear de não sei quando> uns 15€
Sévénépe: roubada no Martim Moniz

O Turista.

Lisboa tem sido, neste últimos anos, cada vez mais um destino de eleição de turistas do mundo inteiro (é preciso virem do estrangeiro, para que se perceba que realmente temos um bom país, mas muito mal aproveitadinho). E nós podemos confirmar isso pela quantidade de máquinas fotográficas que vemos em punho nas zonas mais turísticas.

Claro que no meio de tanto turista, tinha de arranjar maneira de ter um tema para escrever no blog, e surgiu quando vi cerca de 8 pessoas a posar, numa zona que não tinha monumentos. Não havia uns Jerónimos, não havia uma Torre de Belém, um Castelo (eu sei que não são só essas as coisas que se podem fotografar); havia sim, um repuxo...não como aquele que se vê em Caxias, não como os da Expo ou até do Largo da Estefânia (Stephanie para os estrangeiros).

Ora, claro está que fui posar também junto DO repuxo e aproveitei para posar junto de outras coisas igualmente interessantes.

Nunes e o famoso repuxo.
(com 8 pessoas era mais interessante, eu sei)

Outro ponto turístico: um banco da estação de metro.

E por último, mas não menos interessante: um caixote do lixo com uma "sévénepe"

Look Desempregado

Polo Branco > Primark> uns 5€
Calções daquela cor > Primark > 7€
Calçado> Saldos da Pull&Bear de não sei quando> uns 15€
Sévénépe: roubada no Martim Moniz