quinta-feira, 29 de março de 2012

Humores.


Devia existir. E grátEs para todágente! E já nem peço do negro.
Só para não haver desculpas.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Fernicoques do Dia.

Então e aquela publicidade que somos obrigados a papar, quando queremos ver um video? Que não tem um "X" para carregar, que não tem a opção "Skip"? Punheta pá.

terça-feira, 27 de março de 2012

Relaxa que Encaixa.




Das frases que mais oiço, destaca-se "com os nervos que tens sempre, não chegas aos 40". É capaz de ser verdade, mas o que é que me aborrece nisso? É que também estou sempre a ouvir que aos 40 é que se atinge o auge sexual. Uma pessoa já está mais vivida, logo, supostamente mais experiente e já sabe usufruir, na sua plenitude, do sexo.

Tenho pena de não chegar a saber o que isso é, porque de facto, já bebi chás de ca(l)momila, já tentei fazer yoga, reiki (mentira) e já tentei viver na pasmaceira alentejana...e não consigo. São fernicoques e mais fernicoques aliados a sintomas de sarna que não me deixam chegar aos 40. Se bem que ainda falta 20 anos.
E Pshiu.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Fanhosices.




Acho graça aos fanhosos. Fazem-me rir. A sonoridade emitida é cómica. Solto sempre um ou outro riso malvado, mas sem maldade.

Mas há os parcialmente-fanhosos, ou seja, que numa ou outra palavra fazem a tal sonoridade anasalada (que não deve ser confundido com o sotaque cascaense). Acrescentam as letras: M, N e às vezes um acento circunflexo a palavras..que não têm.
Exemplo disso é a palavra chantily que é vociferada como chaNtiNliM. Há outro exemplo, mesa, que quando solto por um destes fanhosos em part-time, soa a meNsa. Mas os meus preferidos são sem dúvida: Echarpe e Champô, eNcharpe e Champôm, respectivamente. isto dá para rir, sim! Mas ouvir muitas vezes, já começa a puxar para o choro..de desgosto, de uma língua assassinada.

Só para relembrar: não abusar no uso de "m" e "n" quando não é necessário. para inventar palavras novas, já chega o novo Acordo Desortográfico.

domingo, 25 de março de 2012

Mães Happy Meal.




Mas há lá coisa mais chata que mães ao Domingo num McDonalds? Porra. eu sei que há, mas isto é seguramente merecedor de um lugar no pódio da "intragabilidade".

A Mãe Happy Meal faz parte de um ritual betiano, em que parece ser super chique levar os Franciscos e as Constanças a comer junk food. "Ai, supé caturra, Bernardinho! Está a adorar esta comida dos pobrezinhos? Supé giro!!Mas só podemos fazer isto ao Domingo, depois da Missa".

Ela tem 30 e poucos anos. Chega (mais ou menos) formosa e segura, age como se tivesse em braços 2546 deficientes motore,s que lhe dão prioridade para passar à frente de toda a gente; desfila como a Princesa Diana, só que na versão Santa Iria a Azóia com um rancho de gaiatagem parva, barulhentos como a putaça e impossíveis de aturar 17 segundos. Tem características vocais de um papagaio: tanto no tom, como na quantidade de repetições.

Tem um dom, o de moer até mais não, os coitados dos funcionários. E das pessoas que estão atrás dela na fila. Consegue demorar cerca de 20 minutos para pedir 3 Happy Meals. "olhe, este é natura, o outro desnatura, um com menos batata, essa batata é do Chef Avillez? Essa cenoura é Paris? A vaca do hamburguer, pastou nos Alpes suiços?" e como se não bastasse: "Olhe, o brinquedo é repetido!", "é que a Bernarda e Farrusca odeiam ter coisas iguais, pode trocar pelo brinquedo da semana passada?" Isto, dito sempre com o volume do decibel entre o máximo e o tás-aqui-tas-a-papá-las.

Para rematar, esta pessoa sarnenta, gosta também de emborcar as bebidas supersonicamente e voltar ao balcão e dizer: "olhe, não me deu o Ice Tea".

Deu sim, mentirosa de merda. Eu vi! E os outros é que são os pobres...
Um conselho, Constança-mor, fique só na missa e não incomode os restante pobrezinhos. Eu agradeço.



quinta-feira, 22 de março de 2012

Lisboa: Vantagens e Greves.

Bolas! Quase 4 dias sem dar novidades, mas agora vou dar. Fui visitar o amor da minha vida (a seguir do meu canito): Lisboa. Fui para o meio daquela poluição, ruído, trânsito, gente até mais não... e posso dizer - com todos os dentes que tenho na boca- que trocava agorinha mesmo a praia pela cidade.


Eu tento mentalizar-me que preciso de descanso e de qualidade de vida, e que até poderei conseguir viver na terra, mas não consigo. Tento ver só as vantagens de viver ruralmente: ver a praia brutal todos os dias, ganhar mais ordenado do que na cidade, apanhar sol mais tempo, gasta-se menos no dia-a-dia, dá para poupar mais,comer melhor e com mais tempo, blá blá blá. É tudo verdade, se se tiver um bom emprego e não se pague casa e não se queira viver.


Para mim, não é vida. Talvez daqui a uns anos seja, mas por enquanto não. Viver implica histórias, pessoas, situações, sítios em dose relevante...que na terra não acontece. Tem tudo isso, mas em pequenas doses e sendo eu uma pessoa que "apreceia" tudo isso; prefiro a cidade.


E não devia ter voltado a Lx, ainda fiquei com mais saudades e vou ficar mais enervado, porque emprego é mentira...Sim, porque ainda não encontrei vencedores do passatempo.


E mesmo com fotos tristes - muito tristeeeeees mesmo-  como esta, 




em que "senhores" destes continuam a abusar da autoridade (só para não chamar filhos de alguma coisa), continuo a amar Lisboa ( e a gostar cada vez menos destes senhores- não se pode generalizar, eu sei, mas é uma boa percentagem). 



domingo, 18 de março de 2012

Mais Comodismos.

Sendo eu alentejano, gosto em muitas situações, de não ter trabalho nenhum. E se implicar, através do portátil, ter um relógio na mão sem ter ido a nenhuma loja, óptimo. Hoje fiz isso, registei-me num site daqueles de descontos, o Groupon e agora deixa lá ver se o relógio me chega a casa...inteiro.
Não tenho sinceramente opinião formada sobre estes serviços, porque uma pessoa desconfia sempre" quando a esmola é muita", mas vou acreditar que fiz um "granda" negócio e não me vão enrolar. Mas estando longe da civilização, parece-me que me vou tornar fã.
Boas experiências? Más experiências? Quem é cliente das balhanas*?

*Balhanas: coisas, bodegas, cenas em alentejano.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Preciso da Vossa Opinião!

Maltinha, tudo o que é de mais enjoa! E por isso, mudei a imagem de fundo do cabeçalho.
Imaginando que eu sigo os vossos conselhos, qual é a vossa opinião: o que devo mudar?
E isto, já viram? :)

segunda-feira, 12 de março de 2012

Passatempo: Queres me Enervar?

O objectivo deste Passatempo é ver quem me consegue enervar num piscar de olhos. Não paizinhos, vocês não podem participar, seria concorrência desleal.

Como se faz isso? Privando-me de coisas muito, muito boas...Tais como:

1.

Panito alentejano. Sim, deixando de comer pão bom todos os dias, bem como enchidos e afins.









2.

Afastando-me do mê canito muitos dias por semana.










3.

Impedindo-me de fazer caminhadas matinais e cruzar-me com estas vistas diariamente.














4.


Impedindo-me também de ver estes pores-do-sol, que com este tempo, têm estado assim todos os dias.









5.


Não tendo lareira para as noites em que faz uma "rigeza*" descomunal
*frio









6.

Não tendo tempo para fazer mais bolos de bolacha.










7.

E principalmente, evitando que eu mantenha esta cor o ano inteiro, que é o que se está a passar.











Para que eu me afaste de tudo isto de uma só vez, o que é necessário?


  • Arranjar emprego em Lisboa:
  • Na minha área (Comunicação) ou não;
  • Se me derem formação eu aprendo qualquer coisa (excepto Matemáticas Aplicadas)
Perfil Entidade Empregadora:

- Que percebam que uma pessoa pode rir enquanto é produtiva;
- Que paguem a tempo e horas:
- Que façam contratos de trabalho e os cumpram;
- Sejam anti-recibos verdes;
- Sejam motivantes em vez de exploradores;
- Que o ordenado seja no mínimo 900euros, sim, porque as contas não se pagam com oxigénio. Poderá ser negociado, conforme oferta laboral.


Agora enervem-me, vá! Tirem-me destas coisas e mandem-me para Lisboa, esse antro de civilização que eu tanto odeio...

Se você é uma entidade empregadora assim, ou conhecem alguma potencial, partilhem, se faz favor!
 Contacto: sarcasmodonunes@gmail.com

domingo, 11 de março de 2012

Domingos & Fat'reino.

Desde pequeno que associo o domingo a um dia em que as pessoas se aperaltam. Não exageradamente, mas que têm algum cuidado com a aparência. Talvez por, desde sempre,  ver muitas famílias a ir à missa - apenas ver, porque como é sabido, eu não "apreceio" a igreja- talvez por ser um dia de família e de passear com a mesma, não sei...sempre foi a minha percepção desde puto.

Quando comecei a trabalhar, já comecei a compreender melhor, o chegar ao fim de semana e querer estar à vontade, descontraído.. principalmente se o emprego implica vestir-se de maneira formal. Porém, existem pessoas que levam esta "descontracção" demasiado a sério e pavoneiam-se em bando, rua a baixo, enquanto fazem o passeio dos tristes, com indumentárias medonhas, quase a roçar o Halloween.

Estas vestimentas são, geralmente, extremamente desportivas. Um fato de treino que a roçar uma perna na outra faz o som "fsssss, fsssss" (J.E. do u remember :) ?), uma calça da aeróbica "côderosa" toda esgalhada e russa na zona do cagueiro, um par de ténis com brilhantes e até quem sabe um neonzito, o uso abusivo da meia da raquete porque "é domingo e eu uso o que quiser", uma tshirt da "jantarada geriátrica de 1972" que parece saída do cú de um burro de tão amarrotada que está e outras pérolas textêis sem fim.

"Ah, mas as pessoas querem andar à vontade depois de uma semana de trabalho!" Compreendo, mas também compreendo que podem haver outras formas que não passem por ser obrigado a ver cuecas-saco-pão, através de calças côderosa esburacadas,  de donas que se sentem, aparentemente, desportistas.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Ainda o Xixi...



E quando estamos afliiiiitos, aflitos, aflitos para fazer xixi durante algumas horas - que por alguma razão não deu para fazer intervalo - e a coisa até parece controlada, mas à medida que nos aproximamos de casa, parece que não aguentamos mais dois segundos? E quando pomos a chave na porta, aí então, qual acrobata chinesinho a fazer posições de joelhos juntos e pensamos "ai, ai, vou me mijar"! E às vezes... mijamos. Já me aconteceu.Sim, a abrir  aporta de casa. E tu, já tiveste uma mijanêra* descomunal?

*Vontade de fazer xixi em alentejano.


quinta-feira, 8 de março de 2012

Não é sobre o Dia da Mulher...

Gajêdo! E vá gajêdo! Hoje diz que se comemora o Dia Internacional da Mulher, mas é uma assunto que não vou falar, porque acho parvo - sim, talvez porque não haja o do Homem- e pronto. Acho bem as emancipações, o direito de voto e todo um mundo novo que se descobriu além-cozinha. Mas também conheço muitas pessoas do sexo feminino que acham este dia uma palhaçada e que nem dos strippers que vêm no kit-jantar-dia-da-mulher, gostam.

No entanto, o que quero falar afecta mais mulheres do que homens, que é a baixa auto-estima. Gajas, escusam já de estar a revirar os olhos e a bater com as unhas de gel na secretária, com todo esse nervosismo, mas pensem lá: os 30 anos aproximam-se e muitas de vocês começam a panicar no que diz respeito a relações. "Ai, então e agora?", "agora já ninguém me pega", " agora estou toda flácida", "vou ficar sozinha com 387 gatos", diz-vos alguma coisa? Eu sei que diz a uma boa parte.

Moças, orientem-se! Eu oiço isto vindo de carinhas larocas, boazonas, inteligentes..e não se aguenta. Aqui neste campo, talvez a inteligência não funcione a 100%, porque não se justifica terem pensamentos tão estúpidos. E depois queixam-se: "Ah, só se metem comigo pelo meu exterior"! Não, os gajos vão na rua, vêm uma jeitosa e dizem: " Oh jóia, queres ler Jean Paul Sartre" ou "Coisa Boa, queres ir dar uma Voltaire?" ou "essas maminhas, estão Kant ou Freud?". Ao menos têm o exterior..outras, tem um exterior, vá,  MAIOOOR!


E nos homens, como funciona? Chegam aos trinta e acham que estão cada vez melhores...situação esta que têm uma continuidade imensa. Aos 30 estão bem, aos 40 ainda mais, aos 50 espectaculares e conseguem sacar miúdas de 20 (na cabeça deles) e assim sucessivamente. Há um crescimento de ego significativo e proporcional ao envelhecimento (que nem sempre se justifica). Eu confirmo, já cheguei aos 30 e também acho que estou melhor agora.

Feliz dia, Gajêdo! :)

quarta-feira, 7 de março de 2012

Orgia Castelo Branco e Futre (Ilustrado).

Inenarrável.



















Não sei se hei de rir, se chorar.
Estas imagens foram gentilmente gamadas do site do Sapo, que passou entretanto, de uma página de entretenimento,para uma página de terror ou de entretenimento.
Já não sei. "Estou tão confuso" (ler com pronuncia da floribela).

terça-feira, 6 de março de 2012

Aos Pares.



Eu não sou assim tão insensível como posso parecer. E os casalinhos - excepto a dia 14 do mês passado- não me enervam assim tanto. A não ser que façam um perfil de facebook para os dois.

O que é isso, gente? Isso é a sério ou é uma partida de muito mau gosto? Ah, bem me parecia. Vá lá ver, toca a acabar com essa estúpidez...Daqui a pouco estão me a dizer que a Conceição Lino apresenta um programa em que tem um registo de pessoa descontraída e engraçada!

Vá, não exagerem! Então e aquela coisa que os casais se queixam quando as relações não são felizes ou terminam: " Ah, estava-me a anular" e "estou a mudar a minha personalidade em função del@" e "já não sou eu". Não existe, é? Preferem levar ao extremo a expressão: "agora não há o eu e o tu, somos nós" e "agora somos um só".
 (boneco a bolsar compulsivamente e quiçá a dar um peido)
Isso não é amor. É falta de personalidade. Na, na, na, calou! Não é discutível

A situação piora, quando o amor é muuuuuuuuuuito e as pessoas são muito gordas e não se largam de maneira alguma. Mesmo quando, na rua, só há espaço para passar uma pessoa e os casais insistem em não largar a mão d@ companheir@.

Criem um perfil individual e não grupal. E quando forem à rua, larguem essas mãos rançosas quando só há espaço para um.
Porra, um chapadão com os nós dos dedos na boca e era pouco.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Natureza...Mortíssima.

Espécies em vias de extinção: a minha paciência e a minha inteligência.
Brincaderinha, não se pode extinguir algo que nunca existiu.

sexta-feira, 2 de março de 2012

Justificando...

Pessoas, eu estou  a ver que está muita gente a aceder ao blog, pelo meu post sobre a Rita Egidio. Post este que não teve dois minutos online pois apaguei logo. No entanto, o título continua a aparecer nas pesquisas e como não se lê o que realmente escrevi...parece que é uma coisa má.

Eliminei logo, pois li outra versão da história e achei que não devia opinar. E lá está, com medo de não ser totalmente verdade e eu ser um caguinchas/maricas/medricas, apaguei logo.

Era só o que me faltava agora, depois de esta saga de desempregado, ter de pagar alguma coisa a alguém. Eu agora só pago alguma coisa com o corpo, o que faz de mim uma grande puta. Eu, euu, eu é que souuuu! :)

A Resposta do IEFP


Mês cagalhanitos, tirei o post sobre a Egídio. Não me apetece entrar em despesas com queixas que ela possa fazer sobre a minha difamação. Assim, só difamo em pensamento :)

Cagando neste assunto, o que interessa:

Minha gente, então a resposta ao email em que perguntei se lhes podia bater, foi esta:
(Têm de carregar nas imagens para conseguir ler)


 Depois, obviamente, escrevi-lhes de novo

 E eles insistiram então:

Em 10 minutos (entre uma resposta e outra) perceberam que afinal o problema não era eu não ter posto a data de nascimento, mas sim não saberem para onde encaminhar o email.
Fica então aqui uma adivinha:
Como se chama um conjunto de peixes?
Sim, cardume!
E um conjunto de burros?
Sim, IEFP!
Demasiado previsível, eu sei.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Orgias do Castelo Branco.

Estive a assistir ao video das orgias do José Castelo Branco. Dezanove minutos muito secantes, em que o que mais me intrigou foi: afinal já me convidaram para orgias, e eu sempre disse que me tinham convidado para ménages. É que são só três pessoas que protagonizam o filmezito...e chamam orgias. Acho mal não explicarem bem as coisas por causa da expectativa que uma pessoa cria.